• IPDAL

Portugal aumenta exportações e diminui importações – Comércio extracomunitário ganha terreno

Já está online o abstract do Relatório elaborado pelo IPDAL sobre o Comércio Interacional português, no quarto trimestre de 2011.


COMÉRCIO INTERNACIONAL PORTUGUÊS – 4º TRIMESTRE 2011

INSTITUTO PARA A PROMOÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA AMÉRICA LATINA LISBOA, 9 FEVEREIRO 2012

PORTUGAL AUMENTA EXPORTAÇÕES E DIMINUI IMPORTAÇÕES

COMÉRCIO EXTRACOMUNITÁRIO GANHA TERRENO

O défice da balança comercial portuguesa diminuiu para cerca de metade – de 5.640 milhões para 2.825 milhões de euros – entre os últimos três meses de 2010 e o mesmo período de 2011. É este o resultado de um aumento das saídas de bens na ordem dos 12,4% e de uma caída nas entradas de 10,5%, em comparação com o período homólogo.

De acordo com dados avançados pelo Instituto Nacional de Estatística, as exportações aumentaram 4,4%, no mês de Dezembro, face ao mesmo período de 2010, sobretudo graças às trocas comerciais com os países extracomunitários. As entradas diminuíram 16.9% devido à quebra no comércio com a União Europeia.

Apesar da recuperação face ao ano passado, há a destacar uma quebra recente no ritmo das exportações, de Novembro para Dezembro de 2011: as saídas diminuíram 15,4% face ao mês anterior, devido à evolução das transacções do Comércio Intracomunitário. Pelo mesmo motivo, também as entradas caíram: 8,7% menos importações do que em Novembro. A tendência durante o ano de 2011 foi para um aumento nas trocas comerciais com os países fora da União Europeia, e um decréscimo nos fluxos intracomunitários.

Comércio Extracomunitário As trocas comerciais com os países fora da União Europeia conheceram um aumento significativo a nível de exportações (26,5%) e um ligeiro acréscimo a nível das importações (3,9%), face ao período homólogo. Excluindo os Combustíveis e lubrificantes, as exportações aumentaram 23,1% e as importações caíram 12,7%, em comparação com igual período do ano anterior. Se ignorarmos este sector, o saldo da balança comercial atingiu um excedente de 960,6 milhões de euros e a taxa de cobertura foi de 158,2%. Quando incluímos os combustíveis e lubrificantes, os resultados globais mostram um défice de 469 milhões de euros, com uma taxa de cobertura de 86,8%. Em termos homólogos, o último mês de 2011 viu as exportações para fora do espaço comunitário aumentar 19,2%, devido sobretudo aos acréscimos verificados nas exportações de Combustíveis minerais (nomeadamente Gasolinas, Fuelóleos e Carborreactores), de Veículos e outro material de transporte (principalmente Automóveis de passageiros com destino ao mercado chinês) e de Metais comuns. As entradas de bens cresceram 6,2%, quase exclusivamente como consequência do crescimento registado nos Combustíveis minerais (nomeadamente Óleos brutos de petróleo e Gás natural). Comércio Intracomunitário Em Dezembro de 2011, as exportações intracomunitárias diminuíram 1,1%, principalmente devido aos decréscimos registados nos Veículos e outro material de transporte. As entradas de bens registaram um decréscimo de 22,8%, reflexo novamente da quebra verificada nos Veículos e outro material de transporte. Em comparação com o mês anterior, em Dezembro de 2011, diminuíram tanto as exportações como as importações, respectivamente 18,8% e 7,6%.

Grandes Categorias Económicas As exportações de Combustíveis e lubrificantes aumentaram de forma impressionante (70,7%) face a igual período do ano anterior. A principal causa prende-se com a queda do consumo interno, que leva à necessidade de saída destes produtos para os mercados externos.

Do lado das exportações, destacam-se ainda os aumentos dos Produtos alimentares e bebidas (+16,5%), dos Fornecimentos industriais (+13,3%) e do Material de transporte e acessórios (+12,9%). Do lado das importações, diminuíram-se as compras de Material de transporte e acessórios (-27,2%) e das Máquinas e outros bens de capital (-18,4%). Em sentido contrário, aumentou a entrada de Combustíveis e lubrificantes (+18,7%).

BIBLIOGRAFIA: Instituto Nacional de Estatística: Estatísticas do Comércio Internacional, 9 Fev. 2012.

0 views0 comments